Boa notícia! Eltrombopague é aprovado para tratamento de anemia aplásica grave em pacientes adultos e pediátricos

Medicamento poderá ser usado como primeira linha, em combinação com terapia imunossupressora padrão

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovou, no dia 27 de janeiro, o uso do medicamento Eltrombopague Olamina para anemia aplásica grave em combinação com terapia imunossupressora padrão, em primeira linha, para pacientes adultos e pediátricos com 6 anos ou mais.

A doença é causada pela destruição da medula óssea por meio de ativação do sistema imunológico contra as células-tronco hematopoéticas (CTH) do próprio paciente, sendo, portanto, uma doença autoimune.

Em pacientes com anemia aplásica, a medula óssea não produz as células do sangue e, quando a doença é grave e não tratada, a maioria dos pacientes morre dentro de 1 ano.

A aprovação se baseou em um estudo prospectivo de fase 1-2, que avaliou a resposta hematológica completa após 6 meses de tratamento. Pacientes com respostas robustas tiveram menos complicações, como recaída e evolução clonal. Respostas positivas foram observadas desde a avaliação do mês 3 e a independência transfusional ocorreu em cerca de 1 mês, mesmo nos casos mais graves. A sobrevida foi maior que 95% após um seguimento mediano de 2 anos.

O Eltrombopague Olamina é um análogo do receptor de trombopoetina (rTPO) e age estimulando as CTH, aumentando assim o número destas células na medula óssea, possibilitando a produção do sangue.

No Brasil, o medicamento está disponível para compra também para anemia aplásica em segunda linha em adultos e PTI em segunda linha em adultos e crianças com 6 anos ou mais.

O fornecimento do medicamento pelo SUS

O medicamento não é disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para pacientes com anemia aplásica. A recomendação da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (CONITEC), em relação ao Eltrombopague Olamina, é somente para o tratamento da Púrpura Trombocitopênica Imune – PTI crônica.

A Abrale continuará seu trabalho para que este medicamento seja incorporado ao SUS e os pacientes tenham acesso ao melhor tratamento disponível.

Confira a Bula e outras Informações do medicamento no site da ANVISA: https://consultas.anvisa.gov.br/#/medicamentos/25351594727201604/?substancia=25243

Fonte: Advocacy Abrale

Material disponibilizado pela Abrale – Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia, em 19 de fevereiro de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *